Boa redação exige junção de conhecimentos linguísticos e conhecimento da realidade

Redação nota Mil

Cinco são as competências avaliadas na redação do Enem. Muito treino e manter-se sempre bem informado podem ajudar o estudante a atingir a nota máxima
Apresentado por: Colégio Madre de Deus

Todo estudante passa o ensino médio buscando um objetivo: ser bem sucedido no Enem e entrar na faculdade dos sonhos. No entanto, para atingir o sucesso é preciso muito esforço prévio. São muitas disciplinas para dar conta, mas, dentre elas, a redação é uma das que mais preocupam os estudantes por avaliar os conhecimentos em gramática, além de exigir que o jovem esteja bem informado e seja capaz de discorrer sobre temas atuais, apresentando uma proposta de intervenção para a problemática proposta pelo tema. Durante a correção, cinco competências são avaliadas e cada uma delas vale até 200 pontos.

A primeira delas é demonstrar domínio da norma culta. “O candidato deve ser capaz de usar a língua portuguesa corretamente, aplicando as regras gramaticais e tendo muita atenção à ortografia”, destaca a professora de redação do ensino médio do Colégio Madre de Deus, Carla Carmelita. A compreensão da proposta do tema é outro fator importante que pode ser decisiva na nota final. “A fuga total do assunto pode acarretar em uma nota zero. É preciso ler com cuidado. No ano passado, o enunciado pedia um texto os “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil’ e alguns alunos escreveram sobre cegos”, relata a professora.

A terceira competência analisada é a capacidade do aluno de argumentação e de como ele consegue defender seu ponto de vista em relação ao tema. “É preciso estar bem informado para ter subsídio argumentativo. Um bom modo de conseguir isso é ler livros e jornais, além de acompanhar bons noticiários”, explica Carla Carmelita. Outro critério é o conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a elaboração de um texto coeso. “No Enem, é pedido um texto dissertativo-argumentativo. Ter atenção na construção e organização dos parágrafos pode garantir uma boa pontuação, além da diversidade de conectores, ou seja, elementos para estabelecer a ligação entre as partes do texto”, lembra a docente.

A quinta habilidade cobrada é a mais importante de todas. “O aluno precisa concluir o texto apresentando uma proposta de solução para o problema apresentado. É nesse quesito que os corretores costumam ser mais rígidos e os estudantes apresentam dificuldade”, afirma a professora de redação. Textos com argumentos que ferem os direitos humanos não provocam mais nota zero imediata. “O candidato precisa discorrer sobre o tema com argumentos sólidos e a apresentação de uma conclusão. Um texto preconceituoso não conseguirá atingir esses critérios”, destaca.

 Fugindo do zero – Alguns erros provocam a anulação da redação, fazendo com que ela nem ao menos seja corrigida. Optar por outro gênero textual é um desses motivos. “O Enem não permite que o aluno escreva crônicas ou poesias, por exemplo”, exemplifica a professora. A fuga ao tema e impropérios também podem acarretar a nota mínima. “Em anos anteriores redações contendo receitas de bolo e outros textos aleatórios viralizaram na internet. Atualmente essa brincadeira gera problemas ao candidato”, avisa Carla Carmelita. Escrever menos de sete linhas é outro motivo que causa anulação. Para ter uma boa nota, treinar é fundamental. “É essencial escrever bastante porque só assim é possível aprender com os erros e evoluir sempre”, finaliza.

Sem comentários

Deixe um comentário